Follow by Email

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

A resposta do Sabichão

Alterações climáticas – um planeta em aquecimento

As alterações climáticas têm vindo a ser identificadas como uma das maiores ameaças à biodiversidade do nosso planeta. Estima-se que cerca de 20 a 30% das espécies de animais e plantas estarão muito ameaçadas pelo aumento da temperatura média global. Recentemente, a IUCN (União Internacional para a Conservação da Natureza) identificou as 10 espécies mais vulneráveis face às alterações climáticas. Descobre algumas dessas espécies:

Koala
É uma espécie endémica da Austrália. Como se alimenta apenas de Eucalipto, ocupa um habitat muito específico, confinado aos locais onde esta árvore existe. O aquecimento global faz-se sentir através do aumento da frequência e intensidade das épocas secas que “obriga” os Koalas a descerem das árvores para procurar água e novos habitats, ficando mais vulneráveis aos predadores, assim como aos perigos das estradas que podem ter que atravessar.

                                                      Peixe-palhaço
Este peixe vive em oceanos de águas tropicais e tem uma relação de mutualismo com anémonas marinhas, onde se “esconde” para ter proteção. Estes dois animais dependem dos recifes de coral, onde vivem. Contudo, com o aquecimento global e o aumento do nível de CO2 (dióxido de carbono), os recifes ficam cada vez mais degradados, colocando em risco a sobrevivência do Peixe-palhaço.
  

Pinguim-imperador
Esta ave depende das espessas camadas de gelo da Antártida, onde acasala, cuida das crias e faz a mudança das penas. Mas, devido ao aumento da temperatura, estas têm vindo a derreter, levando a uma diminuição do habitat da espécie. Por outro lado, o degelo leva a uma diminuição da população de krill (pequenos crustáceos semelhantes ao camarão), da qual o Pinguim-imperador também se alimenta. 
        

                                                      Tartaruga-de-couro
 
É a maior espécie de tartaruga, podendo pesar até 500 kg. O aumento da temperatura da areia das praias onde os ovos são depositados e incubados, poderá levar a um aumento desproporcional do número de fêmeas. A subida do nível da água do mar e uma maior frequência das tempestades poderá levar à destruição dos seus ninhos nas praias, diminuindo a sua área de reprodução.

 Estes são apenas alguns exemplos da ação do aquecimento global sobre as espécies. Está nas nossas mãos travá-lo. Mas como podemos ajudar a travar o aumento da temperatura no nosso planeta? Não percas a próxima publicação!

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

O meu ATL de Natal

Para mim o ATL foi: fazer jogos, divertir-me, aprender coisas novas, mas AINDA MAIS IMPORTANTE foram as amizades que fiz. (Vera, 10 anos)

Para mim o ATL foi um sítio muito especial porque aprendi como é que os animais comiam, onde eles gostam de estar e várias coisas! ADOREI ESTAR NO ATL!! (Assunção, 10 anos)

O que eu gostei mais no ATL foram as coisas que nós aprendemos com os animadores e os jogos em que aprendemos muito! Gostei muito do ATL e espero voltar! (Inês, 13 anos)

No ATL fiz e aprendi muitas coisas divertidas como conhecer novas espécies de animais, aprender mais coisas interessantes sobre o nosso animal preferido, assistir a muitos “shows” sobre vários animais…etc. (Maria, 15 anos)

Para mim o ATL é muito giro. Eu aprendi que não se deve levar os animais para casa, nem os macacos, nem tigres, nem leões… (Concha, 7 anos)

Para mim o ATL foi divertido apesar de só ficar um dia, tiraram-me uma foto com papagaios e araras. Aprendi muitas coisas, que não se deve levar animais, só os de estimação. (Mateus, 9 anos)

Estes são os testemunhos de alguns participantes do ATL de Natal desta semana.
Aprender e brincar em simultâneo, umas férias divertidas e cheias de aventura explorando a natureza é o que o ATL do Jardim Zoológico oferece às crianças que por aqui passam, a verdade é que a maioria volta na Páscoa, no verão e por muitos e longos anos. Vem tu também ser um explorador da natureza! Aqui poderás fazer a tua inscrição

Animais que vivem na neve

E como o prometido é devido, nada melhor do que no Natal falarmos sobre alguns animais que vivem na neve e como se adaptam ao tempo frio.

Nós, quando temos frio, vestimos casacos quentinhos, luvas e gorros pois o pelo que cobre o nosso corpo não chega para nos aquecermos.

Leopardo-das-neves
O Leopardo-das-neves tem uma “roupa natural” própria para a neve, o seu pelo é grosso, para não deixar passar o frio e clarinho, para se poder esconder das suas presas na neve, assim consegue caçar melhor. Tem também um “cachecol natural” que é a sua cauda longa na qual se enrosca para ficar mais quentinho. O seu nariz é largo, pois assim consegue aquecer o ar que respira antes de chegar aos pulmões, assim não fica com tosse e constipado como nós!

A Coruja-das-neves já é famosa, pois foi uma das atrizes principais dos filmes do Harry Potter. Lembras-te dela?

Coruja-das-neves

Tal como o Leopardo-das-neves é branca para se esconder bem na neve, mas não tem pelo, pois é uma ave, tem penas e estas não servem só para voar mas também para aquecer. Veem muito bem de noite e por isso gostam mais de caçar quando o sol se põe e mesmo que a floresta esteja silenciosa, porque a maioria dos animais já dorme, o seu voo não se ouve pois têm uma plumagem tão macia e tão branca que mais parece algodão, ou mesmo as barbas do Pai Natal!
Muitas aves têm os olhos colocados de lado, mas os das corujas estão virados para a frente, por isso ela roda tanto o pescoço, para ver tudo ao pormenor, tal como quando vais ao cinema ver os filmes a três dimensões com aqueles óculos especiais.

ABC da Natureza

Coruja-do-Nabal
Invernante: diz-se que uma espécie é invernante num determinado local quando aí passa o inverno. Aplica-se sobretudo a aves e a espécies migratórias. Por exemplo, a Coruja-do-nabal passa o inverno em Portugal podendo ser observada no Estuário do Tejo.

ABC da Natureza


Habitat: é o meio ambiente com as condições adequadas à permanência e ao desenvolvimento de determinada espécie animal ou vegetal. É o meio em que uma determinada espécie vive. A perda do habitat ou alterações no habitat podem levar a que a espécie se extinga.

ABC da Natureza

Gâmetas: são as células reprodutoras (ou sexuais) masculinas ou femininas.

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Criacionismo: uma teoria Fixista!

As explicações para a origem das espécies do nosso planeta, foram surgindo ao longo do tempo por vários autores, alguns baseando-se em pura fantasia, outros usando o método experimental. Contudo, durante séculos as várias teorias para explicar a origem dos seres vivos, foram desenvolvidas com base num princípio fixista, que foi durante muito tempo o mais aceite.
A teoria fixista sobre a diversidade da vida na Terra, afirma que as espécies que existem hoje em dia são idênticas às do passado, ou seja, todas elas apareceram adaptadas ao ambiente não sofrendo qualquer alteração. A imutabilidade defendida por este princípio explica que as extinções se devem, precisamente, a essa incapacidade de se adaptar ao ambiente por parte dos seres vivos. Esta conceção opõe-se ao evolucionismo porque este defende a ideia que as espécies atuais surgiram com transformações graduais sofridas por ancestrais e espécies extintas.
A versão religiosa do fixismo chama-se criacionismo, que foi desenvolvida de muitas formas diferentes, consoante a mitologia de cada religião. Num nível mais amplo, um criacionista é aquele que acredita que uma entidade suprema, um deus é o criador absoluto do céu e terra, a partir do nada, num ato de livre vontade. Para os teólogos, uma das bases para a conceção criacionista da origem das espécies, está numa interpretação”à letra” do livro de Génesis.
O criacionismo assenta também no princípio fixista, visto que postula que a partir dessa criação divina, todas as espécies continuam semelhantes desde a sua criação. Esta teoria justifica as imperfeições com as condições do mundo material, esse sim, corrupto e imperfeito.
Apesar de todas terem o princípio fixista bem presente, existem várias correntes dentro do criacionismo, com diferentes visões e interpretações para a origem das espécies. Intérpretes religiosos modernos ensinam o criacionismo como uma sabedoria metafórica que não se opõe ao evolucionismo.

Queres saber quais são as outras correntes do criacionismo? Queres saber quais as outras teorias para a origem dos seres vivos do nosso planeta? Não percas as próximas publicações!

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Um Natal Selvagem com o Jardim Zoológico!

Ofereça diversão e alegria neste Natal! Surpreenda quem mais gosta com presentes originais! Conquiste o coração dos mais pequenos e também de graúdos e contribua para projetos de conservação!
Sabia que pode adquirir um voucher para um dia temático do ATL do ZOO por 43,00€, durante as férias de Natal?
Com este presente os mais pequenos (entre os 6 e os 16 anos) serão diplomados enquanto Embaixadores da Natureza, ao viver um dia repleto de aprendizagens.  O acesso a informações exclusivas sobre algumas espécies em vias de extinção e aos bastidores de alguns animais são parte das atividades promovidas nestes dias temáticos de brincadeira e aprendizagem. Entre as 9h00 e as 18h00, de 19 a 30 de dezembro, cada dia da semana proporcionará uma experiência diferente. À segunda-feira, os animais em destaque são os mamíferos terrestres, seguidos dos mamíferos marinhos à terça-feira. A meio da semana todos vão descobrir as particularidades dos répteis e anfíbios, enquanto as aves serão o centro das atenções à quinta-feira. As sexta-feiras são dedicadas à conservação e à sensibilização para a preservação das espécies em vias de extinção.
Se no ATL do Zoo os participantes são apenas criaas, os Sábados Selvagens do Jardim Zoológico juntam adultos e criaas! Visitar alguns bastidores, descobrir os processos diários de tratamento e alimentação dos animais são algumas das atividades preparadas pelo Jardim Zoológico nos percursos temáticos dos Sábados Selvagens. Em família descubra como o Jardim Zoológico contribui para a conservação, através de histórias de reintrodução dos animais no habitat natural e com vários exemplos de enriquecimento ambiental, crucial para a sobrevivência das espécies. Desvende ainda in loco todos os segredos e especificidades das diversas espécies animais, pela mão de um Educador Zoológico, tratadores e treinadores. Gostaria de surpreender os seus amigos com esta atividade? Por 60,00€ adquira um voucher para um adulto e para uma criaa para o programa Sábados Selvagens!

Surpreenda ainda quem mais gosta com o kit de apadrinhamento individual do Jardim Zoológico. O kit de apadrinhamento inclui uma mochila, um diploma do animal escolhido e uma carta de boas-vindas, além de descontos nas bilheteiras, festas de aniversário, ATL e muitos outros! Os padrinhos recebem ainda o Bilhete de Identidade do animal adotado, com todas as informações e curiosidades sobre a espécie e, ainda, um diploma de “padrinho orgulhoso”. Ganhe um afilhado selvagem e contribua para um projeto  de conservação, com o objetivo de preservar as cerca de 360 espécies presentes no Jardim Zoológico!

Uma questão de riscas!


Há mamíferos que têm padrões de coloração muito curiosos. Sejam riscas, pintas, manchas ou até uma mistura de todos, o objetivo é comum: a camuflagem.

No caso de predadores como o tigre, o padrão de coloração permite que se confundam com o seu habitat. Como são animais que vivem em florestas cheias de vegetação e sombras, conseguem esconder-se dos animais que pretendem caçar, as presas. Desta maneira, tornam-se excelentes caçadores, uma vez que a presa só dá pela sua presença quando já se torna muito difícil “fugir”.


Tigre-de-sumatra (Panthera tigris sumatrae)

Mas a camuflagem pode ter o efeito contrário, como acontece com a zebra (preta e branca) que, sendo uma presa, utiliza a sua coloração para se esconder dos seus predadores, como o leão, por exemplo. Como a zebra é um animal gregário (vive em grupos com muitos indivíduos), as riscas tornam a tarefa do predador muito difícil, pois muitas zebras juntas significam muitas riscas e o predador vai ter dificuldade em identificar um só animal para atacar. A maioria dos predadores da zebra são felinos, como a chita, o leão ou o leopardo, e uma característica comum a estes animais é o facto de terem uma visão a preto e branco, o que vai ser mais uma vantagem para a zebra.
Como vês, estejamos a falar de um predador ou de uma presa, a camuflagem tem um único objectivo: “esconder-se para comer e para não ser comido!”

Zebra-de-grevy (Equus grevyi)