Follow by Email

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Interações bióticas interespecíficas

Esta semana falamos sobre as interações bióticas interespecíficas, que se referem a interações entre espécies diferentes, dentro destas podemos encontrar a simbiose, mutualismo, comensalismo, parasitismo, predação e competição, que já haviam sido faladas nas relações bióticas intraespecíficas. Vamos agora falar sobre cada uma delas:

Coruja-das-neves
  • Predação (+/-)  – é uma relação em que uma espécie – predador – que caça outra espécie – presa –com um propósito alimentar. Podem disso ser exemplo, uma coruja-das-neves, ou mesmo uma planta carnívora – dioneia.
  • Competição (-/-) e (+/-) – pode ocorrer por diferentes motivos como a disputa por território, , alimento ou outros recursos. Por exemplo aves necrófagas e hienas disputam cadáveres para seu alimento.
  • Mutualismo (+/+) – é uma relação que tem caracter facultativo, como por exemplo a garça-boieira e o rinoceronte-branco, em que ambos podem subsistir separados ainda que ocasionalmente a garça se alimente dos parasitas do rinoceronte, mas também os pode remover de outras espécies.
Líquene
  • Simbiose (+/+) – é uma relação segundo a qual uma espécie depende da outra para sobreviver, assim é de uma cooperação obrigatória, por exemplo os líquenes são associações entre fungos e cianobactérias. 
  • Comensalismo (+/0) – neste tipo de relação biótica uma das espécies é beneficiada e a outra fica neutra, ou seja não obtém benefício ou prejuízo da relação. Exemplo das orquídeas que se fixam no tronco das árvores, ou dos peixes de rio que se alimentam das fezes dos hipopótamos 
  • Parasitismo (+/-) – o parasita depende do seu hospedeiro para sobreviver. Pode ser um endoparasita quando vive no interior do corpo do hospedeiro (ténia) ou um ectoparasita quando vive no exterior do hospedeiro (carraça). 

Queres saber mais sobre esta temática e ver exemplos ao vivo? Vem ao jardim zoológico com a tua turma participar no programa educativo para o 3º ciclo “À descoberta dos ecossistemas”.

Sem comentários: