Follow by Email

sexta-feira, 11 de maio de 2012

Será que o Homem pode moldar as espécies que o rodeiam a seu gosto?


Charles Darwin, dedicou-se durante a sua vida à criação de pombos. Reproduzia-os de forma por ele determinada, cruzando apenas os indivíduos cujas características ele queria manter na população que tinha ao seu cuidado.
Ao longo de sucessivas gerações, apareceram novas características nestas aves, o que hoje chamamos de diferentes fenótipos, quanto maior o número de cruzamentos também maior é a probabilidade de ocorrerem alterações no genótipo dos indivíduos, que posteriormente se refletem no fenótipo. Ainda hoje, quando são feitos cruzamentos de cães ou gatos, a base pode ser a aparência, ou seja, o fenótipo daquele animal.
Assim hoje em dia existem as mais variadas raças de cães e gatos, todas elas criadas através de seleção artificial , da mesma forma que Darwin o fez com os seus pombos.
Também em animais de produção encontramos hoje exemplos, de seleção artificial, seja para a produção de carne ou de leite, como também dos vegetais e cereais que comemos, procuramos sempre criar melhores e mais rentáveis fontes de alimento.
Elefante-africano
Este processo levou Darwin a considerar, que se ele poderia manipular os indivíduos desta forma, deveria existir no habitat natural um mecanismo idêntico, que  levaria apenas os mais aptos a sobreviver em determinado local, mais tarde designou o mecanismo de seleção natural.
Já falámos de exemplos de seleção artificial, em espécies domésticas, existirão exemplos de seleção artificial no habitat natural?
Um exemplo específico de seleção artificial, efetuada através da caça no habitat natural é o dos Elefantes–africanos, hoje em dia já é notória a diferença que existe no tamanho dos dentes, a que vulgarmente é chamado de marfim, antes estes dentes eram geralmente maiores e mais desenvolvidos do que são hoje. Esta situação está relacionada com o facto de os elefantes que mais interessavam aos caçadores para o tráfico do marfim serem e ainda são os que têm as presas maiores, assim condicionou-se a existência desta característica nas populações.


1 comentário:

Miss Loony disse...

A criação selectiva é mais uma forma do homem se fazer de "deus".
É triste ver as diferentes raças que,devido ao homem,têm vindo a evoluir de uma maneira destrutiva e por vezes futil. Há vários documentários sobre o assunto, recordo um sobre os cães em particular, onde mostravam os diversos problemas de saúde que os cruzamentos de parentes próximos ou de animais com certos "padrões genéticos" trouxeram aos animais.
Claro que as espécies evoluem e modificam-se para conseguirem sobreviver no meio ambiente que se tem vindo a modificar demasiado depressa devido á nossa acção humana, mas quando são modificações prejudiciais causadas apenas para divertimento do ser humano,acho bárbaro :(