Follow by Email

sexta-feira, 11 de maio de 2012

Tratador de animais no Jardim Zoológico


“Para mim ser tratador, significa antes de mais nada, ter respeito pela vida. Ser tratador de animais, selvagens ou não, pressupõe ter sensibilidade e bom senso, pois tratar não significa só dar comida ou água , significa também, limpar e manter as instalações onde vivem os animais, adequadas às espécies que as habitam. Todos os dias temos que observar o comportamento para ver se é o natural da espécie e  perceber quais as preferências alimentares, isto para garantir que tudo corre bem, se pelo contrário percebermos que algo está errado, é necessário  tomar providências. No caso dos répteis, os animais que trato, isto é muito importante.
Ter bom senso para não colocarmos em risco nem o público, nem a nós próprios e, claro, nem os animais, pois por vezes a rotina pode fazer com que facilitemos alguns possíveis acidentes, temos que ter sempre em mente que por mais que gostemos de animais e pensarmos que os conhecemos, alguns podem ser bastante perigosos, sendo que todos são imprevisíveis.
Para mim todos os dias são de aprendizagem, que se pode partilhar com colegas ou com crianças em sessões pedagógicas, escolas, ATL e em entrevistas. Ser tratador é também ter curiosidade pelas características e comportamentos peculiares das várias espécies, fazer os possíveis para que se reproduzam e se sintam “em casa” sob cuidados humanos, para que o Jardim Zoológico seja sempre um local de eleição, , onde acredito que se aprende muito e se desmistificam algumas ideias pré-concebidas sobre estes animais, os répteis. As funções de tratador são por tudo isto, muitas e variadas, como manter os registos, fazer enriquecimento ambiental, informar veterinários e curadoria sempre que necessário.
Para além de tudo o resto, tentamos sempre melhorar as condições dos animais, fazendo sempre que possível, atualizações nas instalações para o bem estar animal.

Escrito por Paulo Sérgio Silva
Tratador no Jardim Zoológico de Lisboa desde 1999,
desde 2007 trabalha no Reptilário.

2 comentários:

Diana disse...

Não trabalho diretamente com a vida selvagem mas tenho uma enorme paixão. Sou Educadora de Infância. Acho que sobretudo é criar um ambiente no qual os animais se sintam bem e porporcionar-lhes uma boa qualidade de vida. Ser tratador é tudo isso e muito mais. É uma profissão que engloba bastantes tarefas. Adoro o vosso trabalho.

Joana disse...

É com muito agrado que vejo publicado o testemunho de alguém que é fundamental no Jardim Zoológico.
A forma intimista como este tratador testemunha a sua experiência e o seu conceito de tratador de animais selvagens é deveras elucidativa do amor que coloca nas tarefas desempenhadas.

Muitos parabéns

Joana