Follow by Email

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Halloween- um outro olhar…

Ao contrário do que se pensa o Halloween não nasceu nos Estados Unidos, tal como todas as festas e feriados religiosos, tem origem nos paganismos europeus, que têm sempre animais simbólicos associados às festividades.

O nome Halloween deriva de Hallow´s Eve, a noite que antecede o dia de todos os santos, ou dia dos mortos como também é conhecido. Neste dia os pagãos acreditavam que os portais entre este mundo e o mundo das almas se abria, daí o pão por Deus ou bolo das almas que as crianças pedem de porta em porta em troca de uma oração pelos entes queridos que já se foram, mas ainda existe uma origem mais remota deste dia que para os celtas significava o início do ano novo, no Samahin, dia 31 de outubro fecha-se a roda do ano e dia 1 de novembro inicia-se um novo ano.

Quando pensamos em Halooween os animais de que nos lembramos são os gatos, aranhas, morcegos e corujas. E não é por acaso que qualquer um deles se transformou em símbolo do Halloween.
Tanto os gatos como a maioria dos felinos, os morcegos e as corujas são animais que estão mais ativos à noite e para isso possuem determinadas características que os povos ancestrais entendiam como sendo quase “mágicas”.



Coruja-das-neves (Bubo scandiaca)


Os felinos, principalmente os gatos eram associados às bruxas, comparava-se a sua visão à clarividência e acreditava-se que as bruxas à noite se transformavam em gatas. Estes animais são mais ativos de noite pois na escuridão as pupilas dos seus olhos abrem o mais possível e contraem-se de dia quando há luz. Quando as suas pupilas dilatam, em vez de redondas são elípticas. O tamanho do olho também é muito maior que o do ser humano o que permite uma entrada de maior quantidade de luz que por sua vez será refletida como num espelho, daí estes animais verem tão bem de noite e os seus olhos serem tão brilhantes. Além disso são exímios caçadores noturnos, camuflando-se e caminhando silenciosamente sem que ninguém os ouça, daí terem as patas almofadadas.

As aranhas tecem a teia do destino, como se por magia conhecessem o futuro de cada um de nós.

Os morcegos habitam em locais húmidos e escuros, principalmente cavernas e grutas. Utilizam a ecolocalização para voarem no escuro, que se caracteriza pela localização à distância de objetos ou animais que possam ser obstáculos ao seu vôo através da emissão de vocalizações e o tempo gasto para que estas sejam emitidas, refletirem no alvo e voltarem à fonte sob a forma de eco.

A coruja é o animal com mais associações simbólicas de sempre, não é por acaso que é companheira inseparável de Harry Potter ou da Deusa grega Athena aparecendo sempre pousada em seu braço direito.

A sua visão muito mais eficaz à noite, a sua audição extremamente apurada e o seu vôo completamente silencioso tornam-na numa exímia caçadora noturna e símbolo de sabedoria e de faculdades mediúnicas como a clarividência e clariaudiência, daí ser sempre a companheira predileta dos magos e feiticeiros auxiliando-os a ver o invisível.

Porque não aproveita o Halloween para vir ao Zoo conhecer a nossa Coruja-das-neves ou a nossa Coruja-do-mato-tropical?

Na compra de dois bilhetes de adulto as crianças mascaradas ganham uma entrada gratuita e sempre poderá assistir aos nossos enriquecimentos ambientais temáticos, feitos com abóboras. Poderá consultar os horários aqui:  


quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Jardim Zoológico participou no Dia do Galardão Bandeiras Verdes 2014

O Jardim Zoológico esteve presente no Dia do Galardão Bandeiras Verdes - Eco-Escolas que decorreu no dia 15 de Outubro de 2014, no Pavilhão Desportivo Municipal de Vila Nova de Gaia (Oliveira do Douro). Este evento é uma iniciativa da Associação Bandeira Azul da Europa (ABAE) que tem como objetivo premiar o trabalho desenvolvido pelas escolas no âmbito da Educação Ambiental e/ou da Educação para o Desenvolvimento Sustentável.
 Nesta cerimónia, marcaram presença cerca de 4000 pessoas, entre alunos, professores e outros convidados e foram entregues 1100 bandeiras verdes Eco-Escolas dispersas por 199 municípios do país.
Para além da cerimónia de entrega dos galardões às escolas, do programa fizeram ainda parte ateliers, jogos, exposições e actividades diversas, no âmbito da educação ambiental. Pelo stand do Jardim Zoológico passaram vários professores e alunos que tiveram a oportunidade de descobrir um pouco mais sobre a importante missão do Jardim Zoológico na conservação da biodiversidade e ainda sobre os programas educativos desenvolvidos pelo Centro Pedagógico.


O Jardim Zoológico colocou ao dispor dos participantes vários materiais zoológicos educativos, oferecendo assim uma nova experiência a quem passou pelo nosso stand.


Para saber mais sobre esta iniciativa, visitar o site: http://www.abae.pt

sábado, 18 de outubro de 2014

O Jardim Zoológico no GREENFEST!

O Jardim Zoológico em parceria com a Microsoft Educação marcou presença na 7ª edição do GREENFEST que teve como tema a "Educação para a sustentabilidade".
O evento teve lugar no Centro de Congressos do Estoril entre os dias 9 e 12 de Outubro. Este é o maior evento de sustentabilidade do país e celebra anualmente o que de melhor se faz ao nível da sustentabilidade nas vertentes ambiental, social e económica. No GREENFEST estão presentes empresas, autarquias e cidadãos que se preocupam com o futuro. A convite da Microsoft Educação, o Centro Pedagógico foi dinamizar um dos espaços com o seu mais recente programa educativo, o Kids Experience @ ZOO. O stand, localizado na Kids Zone, era composto por um ecrã táctil cedido pela Promethean, os nossos computadores Magalhães, materiais zoológicos e ainda uma XBOX ONE com um jogo cujo objetivo é criar e gerir um Jardim Zoológico, o ZOO Tycoon.
Nos dois primeiros dias do evento, o público foi essencialmente escolar e foram dinamizadas várias sessões do programa Kids Experience @ ZOO. 
No fim-de-semana passaram pelo stand inúmeras famílias e enquanto os mais novos exploraram algumas apps (como o FreshPaint ou o OneNote) nos computadores Magalhães e no ecrã táctil da Promethean, os mais velhos deliciavam-se com os materiais zoológicos e com os vídeos dos animais do zoo que passaram no ecrã.

Queremos desde já agradecer à Microsoft pelo convite e à Promethean pelo fantástico ActivPanel Touch que nos disponibilizou. No próximo ano há mais! 

terça-feira, 7 de outubro de 2014

Parabéns Yuky!






O Yuky já fez 1 ano de vida!

Ouve muito bem, farta-se de vocalizar e adora nadar ao lado da mãe. E que bem que nada!
Até aos 6 meses foi amamentado exclusivamente pela sua mãe e a partir daí começou também a comer peixe, apesar de ainda mamar, portanto já percebeste que o Yuky é um mamífero.

É alegre, muito ativo e adora brincar com bolas na lagoa onde vive.

Com estas características podíamos estar a falar de uma criança não é verdade?

Mas não, estamos a falar da nossa cria de Golfinho-roaz, também conhecido por Golfinho-bico-de-garrafa ou Roaz-corvineiro. Facilmente percebemos a  origem do nome bico de garrafa, basta olharmos para a forma como termina o seu focinho; Roaz-corvineiro porque tem por hábito roer as redes de pesca em busca de alimento, parece que as corvinas são dos seus peixes prediletos.

Podemos avistá-los aqui em Portugal quando dão os seus surpreendentes saltos no estuário do Sado, mas nem sempre é garantido que os consigamos ver, no Jardim Zoológico podemos com toda a certeza visitá-los na Baía dos Golfinhos e na Casa da Lagoa onde vive o Yuky, o feliz aniversariante que hoje completa 1 ano de muita saúde e vivacidade.

Preparámos esta surpresa para os nossos leitores que ainda não conhecem o Yuky, mas não há nada como vir conhecê-lo ao vivo! 

sábado, 4 de outubro de 2014

4 de outubro – Dia do Animal

Gorila-ocidental-das-terras-baixas -
 Criticamente em Perigo
É cada vez mais emergente uma política de educação ambiental que opere mudanças a nível de valores e atitudes nas gerações vindouras.
Não é raro que espécies consideradas apenas vulneráveis ou quase ameaçadas caminhem em passos largos para um estatuto de criticamente em perigo ou quase extinto na natureza, assistimos a estas mudanças de uma forma assustadoramente rápida e há que fazer algo para travar este processo.
A visão ecocêntrica em relação à vida e ao planeta terra impõe-se, pois todas as formas de vida e ambientes que permitem a sua existência devem ser igualmente valorizados. A ausência de um tipo de predador ou de algum tipo de presa favorece a morte de algumas espécies ou a superpopulação de outras. Um exemplo disso é a diminuição na população de anfíbios que num ecossistema facilita que a população de mosquitos e outros insetos se multiplique prejudicando a agricultura e a qualidade de vida de outros animais e até mesmo das pessoas.
Órix-de-cimitarra -
 Extinto na natureza
Este é sempre um assunto delicado que envolve interesses económicos e que infelizmente leva a que os governos priorizem a exploração irresponsável dos recursos naturais; a falta de políticas de desenvolvimento sustentável acaba por permitir que muitas espécies desapareçam através por exemplo da desflorestação descontrolada.

Existem muitas causas naturais que também provocam a extinção, mas aí a própria natureza  restaura o equilíbrio nos ecossitemas através de processos de seleção natural em que espécies evoluem adaptando-se ao meio substituindo outras que naturalmente desaparecem, mas o que mais ameaça a biodiversidade é o Homem e o desequilíbrio provocado pelas suas ações irresponsáveis  que dificilmente a natureza conseguirá restaurar.