Follow by Email

sexta-feira, 16 de outubro de 2015

Concurso nacional de escolas - “NÓS PELO LINCE e O LINCE POR NÓS”


No dia aberto ao professor, que decorreu no passado dia 11 de Outubro no Centro pedagógico do Jardim Zoológico, para além da mostra de programas educativos escolares foi também lançado o concurso nacional de escolas para o ano letivo 2015/2016 intitulado “NÓS PELO LINCE e O LINCE POR NÓS”. Foram 70 os professores que ficaram a conhecer a nossa vasta oferta de programas para escolas e que ainda puderam esclarecer todas as suas questões sobre o novo concurso nacional de escolas.


Com este concurso pretendemos não apenas sensibilizar, mas principalmente motivar a população escolar  a agir, elaborando de raiz uma campanha de sensibilização ambiental sobre a importância da conservação desta espécie tão ameaçada. O desafio não é nós fazermos educação ambiental mas sim vocês, alunos com o apoio dos vossos professores transformarem-se em educadores ambientais dentro da vossa comunidade.

Como membros ativos da EAZA decidimos enquadrar a temática deste ano do concurso nacional de escolas na mais recente campanha “Let it Grow” que consiste em sensibilizar a população para a biodiversidade local.

É neste contexto que o Jardim Zoológico, em parceria com a Associação Iberlinx, a Associação Bandeira Azul para a Europa (ABAE) - através do programa Eco-Escolas e a Direção Geral de Educação (DGE) lança o concurso nacional para escolas “NÓS PELO LINCE e O LINCE POR NÓS” dirigido a alunos da Educação Pré-escolar, Ensino Básico e Ensino Secundário e Profissional, a fim de promover a conservação da nossa biodiversidade, através de uma proposta de elaboração de uma campanha de sensibilização dirigida à comunidade.
Pretende-se que o lince – ibérico retome a sua função nos ecossistemas mediterrânicos, da qual decorre o seu valor natural.
Inegável é também o seu valor, estético e cultural. A generalidade do público valoriza a espécie pela sua beleza e valor simbólico, mas também porque reconhece que os territórios onde o lince – ibérico utiliza são espaços de elevado valor natural. É neste quadro tão característico do sul e interior de Portugal que encontramos os montados e florestas de azinheira e sobreiro . E Portugal é o maior produtor mundial de cortiça; o seu valor socio-económico é inquestionável: permite manter o emprego e contribui para o equilíbrio no mundo rural.
A ocorrência do lince-ibérico representa a conservação destes ecossistemas, uma vez que as condições que permitem essa ocorrência indicam um bom estado de conservação global, destes valores, com interesse para toda a Humanidade.

Poderá ler mais sobre o enquadramento teórico deste concurso e fazer a inscrição dos seus alunos aqui.


Poderá ainda encontrar mais informações e manter-se atualizado na página oficial do concurso nacional deescolas do facebook.

quarta-feira, 14 de outubro de 2015

Dia das Bandeiras Verdes

A Associação Bandeira Azul da Europa, (ABAE/FEE Portugal) e a Câmara Municipal de Torres Vedras recebem hoje na Expotorres mais de 4000 pessoas para premiar as escolas que durante o ano apresentaram os melhores trabalhos nos diversos desafios Eco-Escolas 2015. 


Este dia marcará ainda o início das comemorações dos 20 anos das Eco-Escolas em Portugal. 

Hoje em Torres Vedras estão cerca de 4000 pessoas, entre alunos, professores, municípios e outros convidados, que poderão usufruir de um programa diversificado onde o mote é a sustentabilidade. A partir das 9.30 e até às 13h decorrerá uma Eco-Mostra na qual estarão representadas cerca de uma centena de entidades relacionadas com o Ambiente através de exposições, jogos, ateliers, sendo uma delas o Jardim Zoológico,  entidade parceira do programa Eco- escolas. 

A sessão da tarde conta com atuações de diversas escolas e ainda da Foco Musical e do "Zoi o super herói". 
Termina com a entrega do galardão bandeira verde que distingue como EcoEscolas os 1236 estabelecimentos de ensino que durante o ano provaram ter em curso um programa coerente e de qualidade que segue uma metodologia participativa de construção da sustentabilidade

domingo, 4 de outubro de 2015

4 de outubro - Dia mundial do Animal

Em 1931 decorreu em Genebra uma convenção ecológica que determinou que no dia 4 de outubro se comemoraria o Dia Mundial do Animal, desde então este dia tem sido celebrado por todo o mundo sensibilizando as populações para a importância da preservação, dos animais e dos seus habitats. Curiosamente sinaliza-se também a 4 de outubro o dia do médico veterinário. A justificação da data prende-se com o facto de ser também este o dia de S. Francisco de Assis, o santo padroeiro dos animais.


A necessidade de conservação da biodiversidade é justificada através de argumentos de carácter utilitário, científico e ético. Os primeiros dizem respeito à utilidade que podemos fazer dos seres vivos. Efectivamente eles podem ser utilizados na nossa alimentação, no tratamento de doenças, no controle de pragas, na indústria,etc. Por outro lado os seres vivos têm um importante papel ecológico (fotossíntese, formação e manutenção dos solos, ciclo dos nutrientes, ciclo hidrológico), têm valor valor estético, pelo que a sua conservação se reveste de considerável importância. Mas não são estes os valores que gostamos de considerar, qualquer visão meramente utilitária ou estética da natureza pode conduzir a um especismo que resulta num abuso desmedido dos recursos naturais, colocando o ser humano numa posição superior relativamente às outras formas de vida. Sair de uma perspetiva antropocêntrica no que diz respeito ao conceito de vida é urgente. O ecocentrismo defende que devemos pensar de uma forma mais holística, considerando a vida humana como parte de um todo, o ecossistema, composto ele próprio de variadas formas de vida todas com igual valor.


Infelizmente, o crescimento da população humana, o consumo intensivo dos recursos biológicos e o desenvolvimento de um sistema económico que não valoriza o ambiente e os seus recursos está a colocar em perigo de extinção diversas espécies de seres vivos contribuindo para a redução da biodiversidade como a sobrexploração de recursos, a introdução desmedida de espécies inavasoras, a poluição que provoca alterações climáticas, a fragmentação e consequente destruição dos habitats. Uma espécie encontra-se em perigo de extinção quando a sua taxa de mortalidade excede a natalidade da sua população.

Elefante-africano

O ideal seria conseguir-se reverter este processo apenas com a conservação in-situ, através de áreas protegidas e reservas naturais, mas realidade mostra que cada vez mais a conservação ex-situ ganha importância, não só porque um dos seus objetivos finais será a reintrodução de espécies ameaçadas em habitat natural, mas também porque permite promover junto dos centros urbanos maior consciência ecológica através da educação ambiental.


É isto que nós, Jardim Zoológico pretendemos continuar a fazer, alertar, sensibilizar e educar para a Conservação da Biodiversidade, sendo em simultâneo uma "casa" para os mais de 2000 animais que estão sob o nosso cuidado.

Se quiser aprofundar os seus conhecimentos sobre estas e outras problemáticas participe no nosso Workshop "2011-2020 Biodiversidade- Educar para conservar". A próxima edição é de 16 a 18 de outubro. Veja toda a informação detalhada e inscreva-se aqui.