Follow by Email

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

DIA NACIONAL DO MAR






Hoje, dia 16 de novembro, comemora-se a nível nacional o Dia do Mar, efeméride que procura chamar à atenção para a conservação deste ecossistema.

Os mares e oceanos cobrem dois terços do Planeta e desempenham diferentes funções. São por exemplo uma importante fonte de alimento e via de comunicação e desempenham um papel fundamental no clima, absorvendo um terço do dióxido de carbono e gerando metade do oxigénio que respiramos.

Apesar da sua importância, os mares e oceanos são diariamente ameaçados e destruídos a uma velocidade vertiginosa, essencialmente devido à atividade humana. Deste modo, não se coloca em causa apenas a vida das espécies marinhas e das aves que são diretamente afetadas pela poluição mas sim de todas as espécies, incluindo a nossa.  Todos os dias, pequenas ações como não deitar lixo para o chão, reciclar, não deitar resíduos como cotonetes pela sanita ou evitar a utilização de plásticos podem ajudar a minorar o impacto da nossa atividade.


A poluição gera destruição de habitat, a principal ameaça para a biodiversidade.


quinta-feira, 9 de novembro de 2017

PLANTA DO MÊS | Jacaranda mimosifolia






Jacarandá

Jacaranda mimosifolia


Família | Bignoniaceae

Identificação

O Jacarandá é uma árvore ameaçada da flora da América do Sul, endémica da floresta do Noroeste, da Argentina à Bolívia. Apresenta folha caduca e de porte médio que pode atingir cerca de 15 metros de altura. 


Está classificada como Vulnerável pela UICN (União Internacional para a Conservação da Natureza) por ser uma espécie ameaçada da flora da América do Sul. A principal causa de ameaça é o abate para conversão dos terrenos em exploração agrícola.


É uma árvore caraterizada pela rusticidade, crescimento rápido e floração decorativa o que faz dela uma frequente opção em arruamento.



Flor e folha

A floração exuberante que caracteriza o Jacarandá pode ser apreciada ao longo de toda a primavera e inicio do verão (desde meados de abril a meados de junho). As suas flores lilases e em forma de pirâmide desenvolvem-se em inflorescências do tipo panícula.


O Jacarandá perde as suas folhas no inverno dando depois lugar á época de floração estende-se por toda a primavera e inicio do verão.





Floração do Jacarandá (Jacaranda mimosifolia)

Fruto

A frutificação ocorre no outono. Os frutos são lenhosos, discentes e achatados, fazendo lembrar a forma de uma "castanhola".



Fruto do Jacarandá (Jacaranda mimosifolia)



Curiosidade

O Jacarandá é das únicas espécies em que o nome comum é quase igual em todos os idiomas do mundo. Em França, no entanto, é também conhecida como Árvore-das-ostras por o fruto ao amadurecer, se entreabrir enquanto liberta as minúsculas semente que voam e dispersam.




terça-feira, 31 de outubro de 2017

TENHA UM HALLOWEEN ASSUSTADORAMENTE ENTERNECEDOR NO JARDIM ZOOLÓGICO


Enriquecimento Ambiental | Guaxinim (Procyon lotor)


O Halloween está a chegar e o Jardim Zoológico convida a celebrar esta data em família, na companhia das mais recentes crias da morada mais selvagem da capital.

Nos dias 31 de Outubro e 1 de Novembro não se deixe aterrorizar mas sim fascinar com a criatividade dos tratadores que, juntamente com técnicos veterinários, curadores e nutricionistas, desenvolvem Enriquecimentos Ambientais únicos e verdadeiramente artísticos. O Enriquecimento Ambiental é um conjunto de técnicas que tem como objetivo incentivar os animais a por em prática os seus comportamentos naturais. 

Das teias de aranha feitas a partir de cordas, abóboras com aparência assustadora e fantasmas que povoam algumas das instalações, juntar-se-á a componente animal que fará deste, um cenário de Halloween selvagem e maravilhoso.





Visite o Jardim Zoológico e  enterneça-se ao observar como praticam a caça as pequenas crias de Tigre-da-sibéria a interagir com os itens de enriquecimento ou a Arara-jacinta a destruir muito rapidamente uma abóbora com o seu bico forte.







sexta-feira, 27 de outubro de 2017

VAMOS BATIZAR AS CRIAS DE TIGRE!







Na madrugada do passado dia 20 de maio, após uma gestação de cerca de três meses e meio, nasceram no Jardim Zoológico duas crias de Tigre-da-sibéria.

De forma a envolver o público e sensibilizar para a necessidade de conservar esta subespécie classificada como “em perigo” pela IUCN (União Internacional para a Conservação da Natureza), o Jardim Zoológico está a realizar no seu site uma votação (até dia 10 de novembro) para que todos possam contribuir para batizar estes pequenos irmãos.

Procura-se que os nomes sigam uma linha lógica e representem a área de distribuição dos animais. A escolha dos nomes ficou a cargo da KIA, parceiro que apadrinha o progenitor destas crias, desde 2016. Na altura, a escolha do tigre foi óbvia uma vez que desde 2007 os carros da marca passaram a ter um lado selvagem, quando a grelha dos automóveis passou a ser inspirada pelo nariz do tigre, designando-se mesmo por “Tiger Nose”.


Sugestionados pela série de carros KIA Rio, a KIA sugeriu que os nomes das crias representassem rios importantes do habitat natural da espécie. Deste modo, os pares de nomes que estão em votação são:

  • Shilka (fêmea), Argun (macho),
  • Zeya (fêmea) e Huma (macho)
  • Songhua (fêmea) e Ussuri (macho)









O rio Amur é o rio mais importante na área de distribuição do Tigre-da-sibéria, influenciando inclusivamente o nome comum da espécie que também pode ser designada por Tigre-do-amur. É formado pela junção do Rio Shilka, que nasce na Rússia e pelo Rio Argun que nasce na Manchuria.

Com uma bacia hidrográfica de cerca de 1.855.000 km2, o Rio Amur é alimentado por cerca de 200 tributários ao longo do seu percurso sendo os Rios Shilka, Argun, Zeya, Huma, Songhua e Ussuri, seis dos oito tributários mais importantes.





quinta-feira, 19 de outubro de 2017

JOEL SARTORE FOTOGRAFA NO JARDIM ZOOLÓGICO PARA O PROJETO PHOTO ARK



Joel Sartore | fotografa uma Impala-de-face-negra macho para o projeto Photo Ark



Após marcar presença na inauguração do Projeto Photo Ark na Galeria da Biodiversidade, no Porto, Joel Sartore viajou até Lisboa para fotografar 11 espécies no Jardim Zoológico.




No dia 18 de outubro o Jardim Zoológico recebeu Joel Sartore para a realização de uma sessão fotográfica no âmbito do Projeto Photo Ark. O objectivo; fotografar 11 espécies diferentes, com os mais variados estatutos de conservação. As fotografias conseguidas vão integrar o projeto na exposição mundial, que abriu ao público, na Galeria da Biodiversidade, no Porto, no dia 18 de outubro, e onde permanecerá até dia 29 de abril.

Esta mostra engloba cerca de 40 fotografias, infografias e vídeos das mais diferentes espécies, através dos quais os visitantes podem ficar a saber mais sobre as mesmas. A missão do fotógrafo Joel Sartore, mentor do projeto Photo Ark é sensibilizar o público para a extinção das espécies que fotografa e promover a sua conservação.


Exposição Photo Ark, Galeria da Biodiversidade, Porto



PROJETO PHOTO ARK

O projeto Photo Ark nasceu pelas mãos de Joel Sartore com a missão de fotografar as espécies ameaçadas ou em perigo de extinção do mundo, sublinhando as características que as tornam únicas, sensibilizando para a sua conservação. As fotos são realizadas sobre o fundo preto ou branco porque, segundo o fotografo, "sem nenhum elemento de comparação, uma formiga é tão grande e tão importante como um elefante. Deste modo, não há distrações e podemos olhar nos olhos dos animais."

O projeto teve início em 2006 e, no passado mês de setembro, o fotógrafo da National Geographic capturou com a sua lente o 7.000.º animal.

O objetivo de Joel Sartore é reunir no Photo Ark 12 mil fotografias de diferentes espécies oriundas de todo o mundo. Para o fotógrafo este é o momento de agir: “Esta é a melhor altura para salvarmos espécies porque são tantas as que precisam da nossa ajuda."


Joel Sartore | Making of Photo Ark




ANIMAIS FOTOGRAFADOS 


              Girafa-de-angola                                 Leopardo-da-pérsia                             Lobo-ibérico                            Leão-africano                                                             













           Impala-de-face-negra                           Macaco-de-nariz-branco                       Gralha-negra                            Milhafre-negro                                         





Tartaruga-de-lama-de-adanson                Caimão-anão                           Serpente-rei-oriental         



JOEL SARTORE

Joel Sartore é um conceituado fotógrafo, porta-voz, autor, professor, conservador, parceiro e colaborador regular da Revista da National Geographic há mais de 20 anos.
Desde cedo, Joel Sartore revelou interesse pela natureza e os seus primeiros trabalhos para a National Geographic introduziram-no na fotografia de natureza. Desde então, muitas cicatrizes e sustos depois, já teve oportunidade de fotografar uma vasta variedade de espécies como lobos, ursos, leões elefantes e ursos polares.

Em 2006, abraçou o projeto de criar uma documentação fotográfica de 12 mil espécies de animais cativos e em vias de extinção. O   resultado é a maior “arca fotográfica” de animais do mundo.